/> Πρωτεύς: Maio 2012

20 de maio de 2012

Poética XIV

Nietzsche em 1862
Poesia é música, não literatura. Esse é o nosso problema. Como é possível compor verdadeiros poemas se não temos mais paciência sequer para ouvir uma sinfonia? Não que inexista boa poesia contemporânea, como, de fato, há boa música popular, mas a diferença é abismal. São análogos perfeitos. Finalmente, entendo, ao menos, o que Nietzsche quis dizer em O Nascimento da Tragédia: sem Dionísio, as formas restam vazias e cansativas.


Então é preciso voltar e ouvir. Sim, é preciso abandonar um pouco nosso privilêgio visual para ouvir música, a música que ainda deve poder ser encontrada em alguma parte, nem que seja a música do asfalto, dos pneumáticos sobre os asfalto, da gritaria selvagem do folclore urbano.

7 de maio de 2012

O porto

Anselm Kiefer. Mar Vermelho. 1984-5
Triste refúgio do empobrecido:
O Mercador traz para o porto
Agora, o estreito sólido,
Passos de sua ruina.

Vê como sangra a dívida,
Como lhe corrói a dúvida:
Uma vida de remorsos.

São seus, seus passos poucos,
Hesitando entre um porto metálico
E uma eternidade fluída.